Warm Up 17

SÃO PAULO | Tá no filó a edição 17 da Revista WARM UP, que traz na matéria de capa os 20 anos de Michael Schumacher na F1. Amado ou odiado, o alemão é o principal nome da história da principal categoria do automobilismo com suas sete conquistas mundiais e suas 91 vitórias, além de tantos outros recordes. E para isso, Felipe Paranhos, Evelyn Guimarães e Felipe Giacomelli falaram com três pilotos que conheceram bem de perto o multicampeão: Jacques Villeneuve, Mika Hakkinen e Felipe Massa.

Villeneuve, aliás, é a personagem do mês da seção Grandes Entrevistas. Em sua passagem pelo Brasil, Evelyn conversou com o canadense em Interlagos e nele notou a paixão pelo esporte e a decepção com a política que impera na F1 de pilotos em sua maioria sem personalidade. Mas Jacques admitiu que voltaria à categoria se fosse convidado.

Fernando Silva viajou a Sete Lagoas, em Minas Gerais, para acompanhar o que acontece em um rali de regularidade organizado pela Mitsubishi. E de lá saiu com a total impressão de que se trata de uma competição off-road propícia para a família brasileira.

A CBA, claro, não podia faltar: são 50 anos e festa de pompa, mas por outro lado, pilotos do endurance reclamam de que os campeonatos nem calendário tem e que mal troféu recebem. Pior: a entidade sequer responde quando é cobrada. A reportagem é de Juliana Tesser.

A vida de Raphael Matos mudou após a não classificação para as 500 Milhas de Indianápolis. Os planos do mineiro de seguir na Indy e as opções B, C e D são relatadas na matéria feita por Evelyn, ainda não demitida.

Vai lá e lê que tá ótima.

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Michel
Michel
10 anos atrás

Muito engraçado, também, vocês citarem opiniões de Vettel, Hamilton e Pérez como quem “Teve Schumacher como referência”, sendo que todos e cada um já definiu Senna como ídolo, Pérez e Hamilton colocando Senna em primeiro plano, inatingível, e Vettel se dividindo entre Senna e o alemão.

Marcos
Marcos
10 anos atrás
Marcos
Marcos
10 anos atrás

Onde está a “edição maldosa”?

observem 0:50, 1:10, 1:30, 1:55, 2:42…

Até briatore, reconhecido bandido, foi mais digno que ele.

“Ah, mas ele não sabia da morte de Senna.”

Mas do ratzemberger sim!

Marcos
Marcos
10 anos atrás

Massa e Hakkinen dizendo que Senna foi o “número 1” não vale por quê?

http://www.youtube.com/watch?v=yY2sWiDSfS4

E Villeneuve descendo a ripa no alemão e elogiando Ayrton não vale por quê?

http://www.guardian.co.uk/sport/2006/aug/17/formulaone.sport

Cézar
Cézar
10 anos atrás

Acho patético o que a Globo faz com Ayrton Senna – e a forma como faz. Mas, sinceramente, vocês fazem IDÊNTICO pelo Schumacher.

É perceptível em cada palavra, cada linha.

COmo, por exemplo, ao chamar de edição maldosa o video de Ímola-94. Edição, sim. Mas verdadeira. É só ver o video. E outra: não sabia da morte de Senna, mas da de Ratzemberger sim!